Os alimentos construtores

human leg showing how HMB increases protein synthesis and decreases protein breakdown

Depois da água, as proteínas são um dos maiores componentes do corpo e, as vezes chamados de “alimentos construtores”. As proteínas são constituídas de diversas unidades menores chamadas aminoácidos. Alguns aminoácidos são denominados aminoácidos “essenciais”, uma vez que não conseguem ser produzidos pelo corpo humano. Ao invés disso, devem ser adquiridos através de uma dieta. O corpo humano não armazena aminoácidos individualmente, necessitando, então, um consumo diário de aminoácidos através das proteínas.

Nossos corpos metabolizam proteínas constantemente para substituir as degradas pelo funcionamento corporal diário, pela perda muscular relacionada a idade ou fatores externos de estresse como exercícios físicos, atividades diárias, adoecimento ou ferimentos. Para manter o funcionamento corporal saudável, precisamos atingir um equilíbrio entre a síntese de proteínas (produção novas proteínas) e a quebra de proteínas (proteínas liberando aminoácidos). Quando a quebra das proteínas musculares ocorre mais rápido que a síntese de novas proteínas, geralmente, ocorre a perda de massa muscular.

Para combater a perda muscular, suplementação proteica é a resposta mais óbvia para a maioria, no entanto, uma maior quantidade de proteína nem sempre é a solução mais efetiva ou eficiente.

O Problema da Proteína

Por um lado, o consumo de proteínas auxilia na luta contra a perda muscular, por outro lado, consumir a quantidade de proteínas que seu corpo precisa pode ser uma tarefa árdua. Fatores adicionais, como a idade, podem prejudicar a capacidade do corpo de realizar a síntese proteica a partir de aminoácidos. Portanto, a ingestão de proteínas não é o único fator que auxilia na regulação da massa muscular.

A dose diária de proteínas recomendada para adultos, pelo Instituto de Medicina, é de 0.8 gramas de proteínas por kg, de acordo com o peso corporal. Alguns pesquisadores têm como hipótese que a dose diária recomendada pelo Instituto de Medicina não é suficiente para adultos (por exemplo, pessoas idosas ou que possuam limitações funcionais), e que altas ingestões proteicas poderiam promover anabolismo muscular além de conferir mais benefícios à saúde muscular.

Contudo, múltiplos ensaios clínicos falharam em corroborar essa hipótese, demonstrando que o consumo de proteínas em quantidades superiores a dose diária recomendada não se provou benéfico para a massa muscular, força ou funcionamento em adultos de meia-idade ou pessoas idosas. Em ensaios clínicos controlados de homens (acima dos 65 anos) com limitações funcionais, a ingestão proteica muito acima da dose diária recomendada (1.3 gramas diários de proteína por kg corporal) não resultou em aumento de massa magra, performance muscular, funcionamento muscular ou bem-estar entre os homens que já realizavam ingestão da dose diária recomendada de proteína. De igual modo, incorporar 30 gramas de proteína na ingestão diária não resultou em melhora da manutenção de massa muscular ou funcionamento físico em mulheres mais velhas saudáveis (70-80 anos) que possuíssem quantidade suficiente de proteínas, apesar das evidências de diminuição das medidas musculares no membro superior. Em uma meta-análise de 15 estudos avaliando os efeitos da suplementação de aminoácidos e proteínas nos resultados de treinamentos físicos de resistência de homens adultos (acima dos 60 anos), demostrou que a suplementação não possui efeito significativo na força muscular, assim como tamanho muscular, habilidade de funcionamento ou composição corporal. Resultados similares foram observados em adultos de meia-idade (40-64 anos); elevando a ingestão proteica acima da dose diária recomendada não houve aumento de melhorias provocadas por exercício na força, composição corporal ou biomarcadores da saúde.

 

Combinados esses estudos enfatizam que a dose extra de proteína, por si só, não representa uma solução nutricional para a melhora da saúde muscular (isto é, massa muscular e funcionamento físico) em adultos de meia-idade ou idosos.

O músculo é um tecido dinâmico, que, continuamente, se rompe e reconstrói uma faixa de 1-2% a cada dia. O MyHB ajuda no desempenho mais eficiente da proteína ao ativar a principal síntese proteica e proteger contra o excesso de degradação da proteína. Através da dupla ação, o myHMB ajuda seu corpo a utilizar a proteína e o aminoácido consumidos para maximizar os benefícios da saúde muscular de maneira geral.

O HMB é produzido naturalmente no nosso corpo durante o metabolismo da leucina, aminoácido essencial. A Leucina é encontrada em praticamente todas as proteínas, porém o consumo de proteína, por si só, visando atingir uma quantidade significativa de HMB não é viável. Apenas 5% da leucina ingerida através da alimentação é convertida em HMB no corpo. Isso significa que, em teoria, uma pessoa precisaria consumir 60 gramas de leucina ou aproximadamente 600 gramas de uma proteína de alta qualidade para obter prova significativa de aumento do HMB. O consumo direto dessa quantidade de proteína ou de leucinas é um feito difícil, se não impossível.

A solução é simples – suplementar com o myHMB. A ingestão de 3 gramas de myHMB por dia pode ajudar a manter e melhorar a saúde muscular de maneira geral.

Produtos com myHMB + Proteína

Click here to view

Products featuring myHMB + Protein

Big Bold Health HTB Rejuvenate Superfood

Buy Now

Incarnate Nutrition Restore 100% Whey Isolate Protein

Buy Now

Incarnate Nutrition Twilight Micellar Casein Protein

Buy Now

MuscleTech Nitro-Tech Elite

Buy Now

Power Life by Tony Horton High Impact Plant Protein

Buy Now

Power Life by Tony Horton High Impact Whey Protein

Buy Now

Ritual Essential Protein

Buy Now

Xymogen FIT Food® Lean Collagen

Buy Now

Have more questions about myHMB? We’ve got answers.

See FAQs

References

  1. Institute of Medicine. Dietary Reference Intakes for Energy, Carbohydrate, Fiber, Fat, Fatty Acids, Cholesterol, Protein, and Amino Acids. Washington, DC: National Academies Press; 2005.
  2. Mittendorfer B, Klein S, Fontana L. A word of caution against excessive protein intake. Nat Rev Endocrinol. 2020;16(1):59-66. doi:10.1038/s41574-019-0274-7
  3. Bhasin S, Apovian CM, Travison TG, et al. Effect of Protein Intake on Lean Body Mass in Functionally Limited Older Men: A Randomized Clinical Trial. JAMA Intern Med. 2018;178(4):530-541. doi:10.1001/jamainternmed.2018.0008
  4. Zhu K, Kerr DA, Meng X, et al. Two-Year Whey Protein Supplementation Did Not Enhance Muscle Mass and Physical Function in Well-Nourished Healthy Older Postmenopausal Women. J Nutr. 2015;145(11):2520-2526. doi:10.3945/jn.115.218297
  5. Thomas DK, Quinn MA, Saunders DH, Greig CA. Protein Supplementation Does Not Significantly Augment the Effects of Resistance Exercise Training in Older Adults: A Systematic Review. J Am Med Dir Assoc. 2016;17(10):959.e1-959.e9599. doi:10.1016/j.jamda.2016.07.002
  6. McKenna CF, Salvador AF, Hughes RL, et al. Higher protein intake during resistance training does not potentiate strength, but modulates gut microbiota, in middle-aged adults: a randomized control trial. Am J Physiol Endocrinol Metab. 2021;320(5):E900-E913. doi:10.1152/ajpendo.00574.2020
  7. Rittig N, Bach E, Thomsen HH, et al. Anabolic effects of leucine-rich whey protein, carbohydrate, and soy protein with and without β-hydroxy-β-methylbutyrate (HMB) during fasting-induced catabolism: A human randomized crossover trial. Clin Nutr. 2017 Jun;36(3):697-705. doi: 10.1016/j.clnu.2016.05.004.